domingo, 16 de março de 2008

Um tempo

P: Meu namorado me pediu um tempo. Mas quanto tempo é “um tempo”? O que significa isto, afinal? Continuamos namorando ou não? Isabel, Londrina.
R.: Um tempo pode ser muito tempo. A maioria das vezes, é uma eternidade. E não é só namorado que pede um tempo: tem noivo, marido, companheiro que vem sempre com esta conversa.

Medo com nome e sobrenome
No fundo, e as exceções estão aí para confirmar a regra, “um tempo” significa pura e simplesmente: -Cansei de você, quero borboletear por aí, mas sem nenhum sentimento de culpa. Mas quero ter certeza que você continua à mão e prontinha para me abraçar, caso eu deseje voltar!
Nas agências de propaganda acontece algo parecido. É o cliente que acena com um ótimo negócio ali na frente mas, enquanto isto, vai esfolando a sua pele. E você ali, esperando dias melhores. Pode esperar: vai nadar, nadar, e morrer na praia. E a empresa que fica “cozinhando” os anúncios que a gente cria, pede opções para várias agências, faz concorrências mil e depois não decide nada?

NIM
É o povo do nim: nem não, nem sim. O grande problema, é que somos coniventes com tudo isto. Acreditamos que, no frigir dos ovos, iremos acabar ganhando. Os ovos queimam e ganhamos é nada. E por quê? Ingenuidade? Auto-suficiência? De tudo um pouco. Tenho um amigo, israelense, que se mudou para o Brasil, casado com uma curitibana. Lá foi procurar emprego. Depois de um mês, encontrei-o. Perguntei: - E aí? Alguma novidade? Ele, cheio de entusiasmo e com sotaque carregado: -Sim! Fiz uma entrevista, fui super bem, me elogiaram muito. Pediram para eu esperar um tempo, que logo iriam me ligar.
Coitado! Precisei urgente dar um curso intensivo sobre o “dá um tempo brasileiro”. Ele não conseguia acreditar: -Quer dizer que dizem que vão ligar e não ligam? Mas em Israel, se você não é aceito, a resposta é na hora!
Ah, mas é que brasileiro é tão bonzinho… Não quer magoar ninguém. Tem medo de tomar decisões e se arrepender -e gosta sempre de deixar um reserva na mão, certo? Nas relações afetivas é o mesmo cenário. Como acho que não devem ficar sentadas até a bunda assar, o melhor mesmo é tomar algumas providências. Para isso, é preciso estar preparado e ter coragem de ouvir alguns nãos e deixar as portas se fecharem. Melhor portas fechadas do que calendário amarelado!

A Estratégia
1. Defina um prazo. Pode ser de comum acordo, mas defina uma data para o retorno.
2. Leia nas entrelinhas do “dar um tempo”. Fale claramente para evitar ruídos de comunicação e investigue se o significado é o mesmo para os dois lados.
3. O que pode ser feito neste “tempo” vale para ambas as partes? Por exemplo: se o cliente está fazendo concorrência entre agências, quer dizer que você também pode prospectar empresas concorrentes? Geralmente o cliente não quer saber disto: são dois pesos e duas medidas. Nas relações, também não. Quem pede “um tempo”, quer um tempo só para si – e que o outro fique a ver navios!
4. Viva o presente –pois o futuro é incerto e nunca chega.

23 comentários:

Kenia Mello disse...

Essa de dar um tempo é conversa pra boi dormir. E muito. :)

Beijo.

Ricardo Rayol disse...

A análise está ótima, mas estratégias nesses casos nunca dão certo.

Marcos Santos disse...

Ótima blogada Scliar

Não deixe os advogados saberem sobre "dar um tempo", pois arranjarão um jeito de incluírem cláusulas contratuais sobre o caso.

abraços
do Marcos

Georgia disse...

É uma pena que as pessoas ainda estoa acreditando numa desculpa dessas tao antiga.

Boa semana

Liz / Falando de tudo! disse...

Infelizmente no Brasil é assim, a cultura brasileira, ou melhor a falta de cultura" é assim, pois pra mim proletar um, sim ou um nao é atrapalhar a vida do outro!
Adorei ter vindo aqui hoje!!
Também estou passando para dizer que meu "guetsbook", ainda esta la no meu blog esperando o seu recadinho. Ficarei honrada com a sua presença!
Um abraço,
Liz

disse...

Olá Ethel!

Passando para lhe desejar uma semana cheia de boas coisas e acontecimentos explendidos e também colocar minnha leitura em dia.

Triste essa de dar um tempo!

Tempo é questão de preferência!

Rô!

Sonho Meu disse...

Ethel,
acho que sou uma mulher de sorte. Nunca encontrei um cafageste desse que viesse me pedir um "time out" ou um tempo, ou vou sumir pra um minutinho... depois dependendo volto ou vou sumir pra sempre.
Se tivesse conhecido, ele tava ferrado comigo, pois quem iria pedir um tempo pra sempre seria eu.
Eu consigo e sempre conseguí distinguir, cafagestes de homeme de verdade.
bjokas,
me

Sonho Meu disse...

Oops...leia-se "homem e nao homememe".
bjos,
me

Lola disse...

Olá, Ethel,
Dá uma passadinha lá no "Consciência" e vê se pode atender ao pedido de ajuda de alguma forma.
Beijo.

mãe global disse...

Ethel, definir quanto tempo é "o tempo" é um bom conselho. Muitas vezes quem pede tempo não tem tempo nenhum em mente, mas fazer a comunicação mais clara é fundamental.
Beijos,
Rosana

disse...

Dar um tempo....é um tempo para sempre...do que eu sei..não tem volta...virar a página é tudo...e tantas vezes melhor...
Bela escrita...Deliciosa a tua escrita...beijinhos..
O Tico e o Teco me parecem afinadíssimos.....{:-}}

Ana Paula Soldi disse...

Pois é, no meu caso quando alguém fala de dar um tempo no trabalho, eu já leio entre linhas, e penso que acabou, aconteceu alguma que outra vez na agencia, uma modelo diz que quer descansar dar um tempo pode saber que tem algo atrás.
beijinhos

°°Patty disse...

Oi amiga fico tão feliz com sua visita, suas palavras são sempre reconfortante que bom que posso contar com vc^^
...As vezes quero um tempo até de mim...Rs!

Bjos!!!

simone corpo mente e arte disse...

Oi Ethel,
achei suas dicas práticas, reais, exequíveis, enfim excelente.
E amei a mudança da letra do Ary.

bjs. Simone.

Taliesin disse...

Olá tudo bem
desculpe não vim antes mas agora está tudo em ordem, muito interessante esse teu post gostei bastante.
tenha um lindo dia
beijos

Taty simplesmente disse...

Oie...cada dia respondo seus comentários em um blog, rsrssrs
Reuniãozinha sim....vc não viu nossas festinhas, rsrsrsrs bj, boa páscoa...

Olá!! disse...

Scliar... o virtual não tem barreiras quanto a sentimentos... espero que nenhum hacker estrague isso. Obrigada pela força.
Beijosssssssssssss

Depois dos 25, mas antes do 40! disse...

Ei!!! Lembrei de você este fim de semana. Comprei o livro "Egito dos Faraós" do Airton Ortiz e as fotos são do Beto Scliar. É seu parente? Mesmo não sendo fica a dica de leitura. Ótimo para quem gosta de história e viagens! Uma delícia de leitura.

Beijocas e feliz páscoa se não nos falarmos até lá.

Flavia

Sombra do Sol disse...

Olá boa noite, parabéns pelo post, mas as estratégias nem sempre da certo, temos que ficar atentos nas entrelinhas do tempo. Estamos na Páscoa e é um tempo de mudança, em que homens e mulheres fazem um balanço das suas vidas e propõem novos desafios. É hora de renascer, como sugere esse dia de alegria e de esperança. O renascimento, que vem após um período de reflexão marcado pela Quaresma, lembra que o Salvador se submeteu aos maiores sacrifícios para redimir a todos, sem distinção. É esta amplitude que deve nortear as nossas ações, seja no nosso trabalho, na vida cotidiana, na família. Se olharmos a humanidade como uma grande família, vamos renascer verdadeiramente na mensagem de Cristo, que não fez distinção de pessoas. Vamos adotar hábitos saudáveis de vida, partilhar... Desta forma simples, como simples e grandiosa é a mensagem de Cristo, celebremos a Páscoa. Em paz, em família. Desejo-lhe feliz Páscoa. Abraços.

Lilian Britto disse...

Eita, tanta coisa foi dita aqui e olha só na única coisa q eu consigo pensar no momento: na entrevista de emprego q fiz essa semana e q o cara pediu pra eu aguardar ele me ligar... Puxa, e eu aqui com esperança... (brincadeira, eu ainda estou crente q ele vai me chamar...rs). Passando pra desejar a vc um ótimo final de semana e uma feliz Páscoa! Beijos.

Olá!! disse...

Vim trazer-te amêndoas de chocolate, mas nada de comer tudo de uma vez só...
Boa Páscoa
Beijosssssssssssss

Denise BC disse...

Scliar
Ótimo post, seguirei as estratégias à risco, daqui para frente.
Bjs,
Denise BC

Luciane disse...

Oi, Scliar! Esse lance de pedir um tempo já me aconteceu. Eu tinha um namorado lá pelos meus vinte e poucos, e ele me pediu pra dar um tempo. Eu era tão apaixonada por aquele infeliz, que aceitei, "tudo menos acabar definitivamente". Hoje em dia esse trem não me pegaria, de jeito nenhum. Concordo contigo que esse "tempo" é puro egoísmo. Beijo pra ti.