sábado, 22 de março de 2008

Namoro Virtual

P: Adoro ficar nas minhas “paquerinhas” virtuais. Só que eu tenho um namorado bem real. Já li sobre vários casos – até separação! – por causa disto. Será que tem algum risco? Laís, São Bento
R: O mundo virtual toca no real, afinal de contas, por trás da máquina existe um ser de carne e osso. Mas o que diferencia os dois? Vou destacar alguns pontos. O primeiro, é que no mundo virtual, com um toque de mouse, dá para o mudar o cenário, as gentes, ou até mesmo desligar tudo. Já o mundo real não tem controle remoto (até que seria bom!).

Fantasia perfeita
Outro ponto importante é que o mundo virtual pode ser um mundo de sonhos. A perfeição até existe. É o mundo de sonhos da propaganda: as mulheres acordam sem remela no olho; o olho nunca está inchado! Ninguém tem bafo, nem chulé. O café da manhã… Deus meu! Nunca vi o leite derramar. As crianças aprontam-se rapidinho para a escolha, sem choro nem vela. E nos bares, então? O garçom está sempre bem humorado e atende ao primeiro sinal, trazendo o chope estupidamente gelado. De tanto ver estas imagens (a repetição faz parte dos princípios da propaganda, princípio este estabelecido por, quem diria, Hitler!), a gente acaba acreditando nelas. E o mundo da Internet criou um espaço perfeito para reforçar tais imagens.

Erros de leitura
O problema é que as mensagens transitam livremente entre os dois mundos e levam a interpretações diferentes, provocando toda a confusão. Tive um cliente -acho que a empresa existe até hoje: na época, fabricava discos, os bolachões, longplays (será que se transformaram em cds?) e, na primeira reunião, do alto dos meus 23 aninhos esplêndidos, comecei a defender a criação. Só que o fulano não parava de piscar para mim! Eu, totalmente sem jeito. O que fazer? Será que este desinfeliz estava me cantando? Ai, ai, ai. Saia justa total. Eu continuei, firme, fingindo que nada acontecia (cadê aquele controle remoto que eu falei lá em cima, para mudar o canal do mundo?). Como não dava para deletar o cliente, fazer o quê? Olhava pros lados, concentrava nas peças. Finalmente acabou. Ao chegar na agência, o pessoal comentou: -Dá até nervoso este cliente, não é? Ele não para de piscar!
Pois então: era um cacoete. Nada comigo não. Ufa! Já pensou se eu tivesse saído brigando por causa deste assédio que não era assédio?

Cada coisa em seu lugar
Por isso, nunca é demais lembrar: nem sempre o que se vê é o que parece ser. No caso das “paqueras virtuais”, as duas – ou três partes – precisam definir o quê significa o quê. Também não custa lembrar que fantasia é apenas fantasia, na Internet ou na propaganda. Ela pode fazer muito bem para a saúde, como válvula de escape para as tensões diárias. Mas também pode gerar mais frustração, quando se impõem como única maneira para as pessoas se sentirem felizes e desejadas.

A estratégia
1. Uma relação está em constante construção: defina quais os tijolos que são fundamentais e quais são os elementos decorativos.
2. Deixe isto claro antes de fazer qualquer “reforma” e confira se a outra parte concorda!
3. O que para você é virtual, para o outro pode ser real. Não misture os canais.
4. Investigue o valor e o tempo que você está dedicando para cada um destes mundos. O que gera satisfação ou insatisfação? E até que ponto isto não é uma imposição da Geração Prozac, que recusa qualquer tipo de tristeza, por pressão da indústria e da propaganda? Pense nisto.

25 comentários:

Ana Paula Soldi disse...

Pois é quanta gente deixa tudo por um amor virtual, eu conheço uma história assim, qualquer dia te conto, incrível.

Feliz Pascoa...
beijos

Sombra do Sol disse...

Olá boa noite. Amanhã é domingo de Páscoa, e a Páscoa é tempo de Amor, de família e de Paz... É tempo de agradecermos discretamente por tudo que temos e por tudo que teremos. Páscoa é um sentimento nos nossos corações de esperança , fé e confiança. É dia dos nossos sonhos parecerem estar mais perto, tempo de retrospecção por tudo que tem sido e uma antecipação de tudo que será. E é hora de lembrar com amor e apreciação as pessoas em nossas vidas que fazem diferença...
Pessoas como você!!! Abraços fraternos do amigo.

Maria-sem-vergonha disse...

O seu post acabou me fazendo lembrar de Donna Haraway, uma historiadora da Ci�ncia, feminista e estudiosa das rela�es de g�nero e as novas tecnologias. Ela cunhou o conceito �cyborg�, para dar conta da hibrida�o irrevers�vel entre, de um lado, o homem/mulher e, de outro lado, a m�quina.
Acho isso extraordin�rio. �s vezes, somos meio ciborgues, seres h�bridos, transformados e transformadores das nossas identidades... Essas hist�rias de paix�o no ciberespa�o s�o meio loucas, nas quais fantasia e desejos reais se misturam e, �s vezes, enlouqucem...
Voltarei mais vezes...beijos

Celia disse...

Muito interessante seu post de hoje. Bom domingo. Bj

Lulu on the Sky® disse...

Conheço casos de amigos q se conheceram atraves de amor virtual, passou pro real e até casaram.
Big Beijos e Feliz Páscoa!!!

Paulo Henrique disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
luma disse...

Assisti um casamento de mais de 20 anos acabar por conta de um relacionamento virtual que deu em nada. Então, tem gente que leva à sério e se estrepa e como a Lulu citou, tem gente que se dá bem. O virtual é um espelho do real. No real, desculpe a retundância, as coisas são mais reais.
O link está lá se quiser ler. Não coloquei ontem porque não achava. Como disse no texto, uma notícia antiga.
Boa semana! Beijus

.:Carola }i{:. disse...

Acho que todos conhecem casos de relacionamentos pela internet que deram certo e tão certo que hoje são famílias constituidas e tudo mais :) Mas realmente, o interesse e o objetivo do relacionamento na internet tem que ser definido de inicio pra que ambas as partes entendam 'o que que está rolando'.
Bjs x

Claudia Pit disse...

Oi,
Desculpe a demora em vir retribuir e agradecer sua visita. Sofri uma cirurgia e fui obrigada a ficar longe da net!!

Gostei muito do seu texto, instrutivo e informativo nos dias de hoje, embora não acredite muito que uma paquera virtual possa se tornar real.

bjs e boa semana

Patty disse...

Não acho namoro virtual legal, não.Mas como minha opinião não importa cada um cada um

~.^beijinhos!!!boa semana!!!

Meire disse...

Meu casamento nasceu de um namoro virtual via ICQ, ha' 8 anos atras...rs

Querida, desculpe a mensagem colada, mas é por uma boa cauda.

Viemos aqui para te convidar para uma blogagem coletiva com o titulo:

O que voce pode fazer para acabar com o analfabetismo no Brasil?

Que acontecerá no próximo dia 18 de abril, dia Nacional do livro.

O post convocatoria você pode ler no blog da Georgia (
http://saia-justa-georgia.blogspot.com/) e no blog da Meiroca ( www.meiroca.com).
Caso voce tenha algo a dizer a respeito, deixe um comentário no blog

Georgia saia-justa-georgia.blogspot.com ou da Meiroca www.meiroca.com, para que possamos te incluir.
Participe e divulgue em seu blog.

Meire e Georgia

disse...

Adorei o assédio que não era...sempre ótimos textos e assuntos...muito bom ..beijos

anlene gomes disse...

ethel, adorei as estratégias: elas também são úteis para os namoros que começam "ao vivo e a cores". beijos

Georgia disse...

Ethel, espero que a equipe concorde, pois esse projeto deve ser fantástico.

Obrigada, grande beijo

Roseane, disse...

Conheço algumas pessoas que começaram com namoro virtual evoluindo para o casamento real. Mas também conheci pessoas que se deram muito mal, foram enganadas, etc....mas interessante teu post, vou recomendar para uma amiga, acho que ela vai gostar.

Aninha Pontes disse...

Pois é, não sou contrária, porque como outras pessoas já disseram, isso pode dar muito certo. Mas acho, que se o interesse existe, deve deixar o mais rápido possível do virtual para o real.
Nada como olhar nos olhos da pessoa amada, como o toque de mãos e corpos.
Muito bom o post.
Um beijo

Denise BC disse...

Conheço alguns casais que se encontraram no mundo virtual e passaram para o real com direito a casamento e tudo.
Bjs,
Denise BC

Luciane disse...

Oi, Ehtel! Eu não lembro se conheco algum casal que se encontrou pela internet e que deu alguma coisa na vida real. Mas acho que as pessoas devem, de alguma forma, se sentir mais protegidas iniciando um relacionamento pela internet, porque é muitas vezes mais fácil teclar NÃO pelo computador, do que dizê-lo em carne e osso. A tela deve funcionar como filtro. Sei lá, isso é muito avancado pra minha cabeca. Eu sou do tempo que se namorava por carta. ;)
Beijo pra ti.

Olá!! disse...

O mundo virtual pode ser abstracto ou não. Depende da integridade da pessoa, depende da sua capacidade de reciclagem e da maturidade...
Avançar para um caso amoroso hoje em dia é normal, a tecnologia evoluiu e as pessoas adoptaram novas técnicas de abordagem.
Contudo, há que manter cautelas, o virtual é perigoso para os mais crédulos, para os emocionalmente instáveis, para os carentes e acima de tudo para os mais jovens.
Beijossssssssssss

disse...

Ethel...
recebi um desafio de perguntas da Carla do Palavras em Desalinho...é um brincadeira e temos que repassar ...espero vc naõ se incomode e tenha tempo...veja no Ví...
Obrigada e beijos

Maria-sem-vergonha disse...

Passei para te deixar um beijo e dizer que lá no meu coreto tem novidades e boas polêmicas...te espero.
uma ótima semana com sol e luz

Herbert Drummond disse...

Olá Scliar,
Não sou muito de memes, mas recebi um que achei interessante, porque instrutivo. Quem me enviou foi o Ronaldo do Qualiblog que o recebeu da Jaqueline do SperDicas... Trata da divulgação de livros e autores. Em confiança,tomei a liberdade de indicar o seu blog, entre outros, para dar seguimento. Se estiver interessada passe lá na Oficina de Gerência para conhecer. Grande abraço

Lino disse...

Scliar:
O atrativo do virtual, como disse, é a perfeição. Mas ela é algo impossível, que o material não preenche. Temos, neste caso dos relacionamentos, a aprender a viver com defeitos, falhas e maximizar o que é bom.
O virtual, acho, é, no final, uma grande enganação.

Patti disse...

Já todos sabemos que no mundo do virtual, tudo é possível e já nada nos espanta.

Não só começam relacionamentos que podem durar anos, como também já terminaram relações e namoros bastando o envio de uma simples mensagem por mail.

Às vezes fico com a sensação do "tudo muito descartável".

Mas que é um meio de conhecimento de outros mundos, pessoas e realidades, sem rival, lá isso é.

Incontestável.

E é óptimo que assim seja, porque aproximou muito pessoas que sem esta virtualidade nunca se conheceriam.

Anônimo disse...

Eu conheço vários casos que deram certo, e além do mais, não apenas conheço como também estou vivendo uum caso semelhante... e com a Fé em CRISTO em Novembro vai se concretizar...

Torçam por mim...