sábado, 8 de março de 2008

Multipla jornada - Dia Internacional da Mulher

P.: Alguém poderia, por favor, me explicar por que eu preciso trabalhar tanto? Tenho que dar conta de casa, do trabalho, da família, e ainda sair bela e faceira por aí. Para dizer a verdade, não aguento mais! Soraya, Taubate.
R.: Um dia, alguém me disse: com a tecnologia, teremos mais tempo livre. Eu acreditei! Era mentira. Hoje, trabalhamos muito mais, porque com as tecnologias da comunicação, o trabalho nos persegue em casa, no lazer, nas ferias. Tem mais: quem tem trabalho intellectual, não descança nem dormindo. Ou alguém já ouviu falar de uma pessoa que deixa de pensar enquanto dorme? Estima-se que, hoje, se dorme uma hora a menos por noite do que há 150 anos. Ajudou pra isto, é claro, a invenção da eletricidade.
Do lar
Mesmo assim, com máquina de lavar louça, roupa, secar, passar e aspirar, a responsabilidade ccontinua da mulher. Que me desculpem os homens participativos. É comum ouvir –“Meu marido ajuda em casa!”. Isso só prova que o principal é realizado pela mulher. Nunca ouvi nenhum homem dizer: -“Minha mulher me ajuda em casa!”.

O cafezinho
É tão forte este estereótipo de que a mulher precisa “servir” que, em muitos casos, nem se percebe. Em uma das agências na qual trabalhei (eu era a única mulher do grupo, pois, acreditem, naquele tempo mulher em cargo de direção era coisa rara), sempre que tinha reunião o meu chefe dizia: -Ethel, dá para pegar um cafezinho prá gente? Na primeirea vez eu fui. Na segunda também. Na terceira, comecei a me irritar. Na quarta, fiquei indignada. Antes que acontecesse a quinta vez, na primeira oportunidade, antes de dar tempo para ele pedir, eu mesma disse: -Fulano, dá para pegar um cafezinho para a gente?

Listando valores
Para construir esta imagem da mulher super poderosa – super mãe, super amiga, super profissional, super dona de casa e super amante (sim, depois de tudo, ainda é preciso ter não sei quantos orgasmos múltiplos!) – a indústria reforça estes valores. Como? Com propaganda, claro. Grupos de discussão, pesquisa, analyses psicológicas, observação de tendencies são algumas das ferramentas empregadas para descobrir os pontos críticos que vão “balançar” o consumidor. É bom notar que muitos valores são contraditórios. Tem que ser romântica e dependente, mas agressiva e independente; apaixonada e impulsive, mas racional e comedida. E por aí vai – mas sempre potencialmente submissa aos desejos do homem. Haja esquizofrenia!
Confira, em baixo, algumas propagandas de antigamente e outras atuais. O que mudou?










A
estratégia
1. Imperfeição faz parte da vida. Perfeição ideal é só isso mesmo: um ideal.

2. Não caia no conto da propaganda e defina suas prioridades. O resto, deixe para lá.

3. Aprenda a dizer não. Já falei sobre isto em outro posto, com algumas dicas. Dê uma espiada.

E aqui vai o selo que iniciou tudo isto, e que esta no blog da Lys e da Meire. Lá você encontra os links para todos que participaram desta blogagem coletiva do dia 8 de março.



79 comentários:

Lulu on the Sky disse...

Ninguém sabe valorizar a mulher q trabalha dentro de casa.
Tb participei desta blogagem.
FELIZ DIA INTERNACIONAL DA MULHER.
Big Beijos

nina disse...

Oi Ethel, vc falou algo mt interessante e que ainda nao havia lido em outro blog, que é a jornadada tripla de trabalho, ne? putz, a mulher tem que fazer tudo, trabalhar fora, ser mae,e uma boa mae, diga-se de passagem, trabalhar em casa e ainda estar pronta pra o maridao quando este chegar na "alcova do casal",com seu cheiro de cerveja e bafo de cigarro, além de ter que ter corpao, bundao, corpo sarado, a fim de que o marido nao se engrace por outra mais gostosinha, tem que ter bom papo, estar semrpe linda e cheirosa, apesar do cheiro de cebola nas maos, ou ainda de ter que esquentar a barriga no fogao e esfriar no tanque, e ainda fazer tudo praticamentente sozinha em casa,
nao é facil viu? nao é facil.
Apesar de mts coisas serem facilitadas pela empregada domestica, isso ainda é uma realidade pra muitas muheres.
Bjs e parabens pelo texto.

Grace Olsson disse...

|querida, uma das formas de diminuir tanto a canseira vivida pela mulher, tanto a que trabalha fora e dentro de casa seria o homem mudar um pouco a mentalidade e se conscientizar de que ele tambpem é responsável pela vida familiar.
A mulher que trabalha e chega em casa cansada e corre para a cozinha para fazer o jantar, deveria ter o marido junto.Se revezarem nos cuidados domésticos.
Mas, mudar cabeças é uma dor de cabeça danada. Mas o tempo está aí para nos ajudar a mudar essa mentalidade e fazer do mundo de cada mulher, uma historia de vida escrita a quatro mãos.dias felizes, sempre.

Marcia H disse...

alguém já se perguntou porque nao temos empregados domésticos? porque o mordomo na GB é quase sempre homem?
Ethel, eu creio q muitas de nós precisem realmente definir suas prioridades e deixar de cair nos contos dos vigários, digo da propaganda.
adorei!
bj

.:Carola }i{:. disse...

Ethel, primeiramente obrigada pela visita e ela me trouxe aqui. Ótima leitura, vou voltar mais, aliás, vou te adicionar no meu feed assim saberei das novidades.
Bjs x

Rosamaria disse...

UAU! Adorei teus blogs, só que agora não posso ler tudo, mas volto.
Obrigada pela visita, não pude postar ontem. Ainda estou ruinzinha e mal acomodada para teclar, mas vou dar um jeito nisso pra poder ficar mais um pouco na internet. Voltarei!
Bjim.

Ru Correa disse...

A construção de valores é, no meu ponto de vista, o mais difícil para muitas mulheres que, ainda, deixam-se levar pela mídia, pelos outros...
Parabéns pelo post, parabéns pelo dia da mulher...

Beijos e bom domingo!

Osc@r Luiz disse...

Parabéns pela belíssima abordagem.
Me perdoe por não ter visitado a todas ontem e isto acabou por incluir você.
Mas hoje continuo a aprender com vocês mulheres que mais do que reivindicar direitos, entendem mesmo é de ocupar espaços.
Acho que as mulheres que deram as maiores contribuições ao nosso planeta foram as mais competentes e menos ativistas. Não que os movimentos não tenham o seu valor, mas acho que muitos talentos ficam desperdiçados reivindicando e poderiam no entanto estar mudando o mundo com seus exemplos como fizeram Marie Curie, Indira Ghandi e Madre Teresa entre muitas.
Não a conhecia, mas foi um prazer ter o privilégio de cumprimentá-la pelo seu dia ao mesmo tempo que venho aqui pela primeira vez.
Tenha um bom domingo. Um abraço.

Celia disse...

Ethel obrigada pela visitinha no blog. Fez-me vir aqui e dizer que gostei muito do seu cantinho. Muito bom o que vc escreveu. Realmente, nos mulheres temos que trabalhar fora, cuidar da familia, da casa, da comida...e nao reclamar. Isso é o papel da mulher, pensam muitos. Quando vim morar na Suecia, e vi meu marido fazer tudo em casa, fiquei sem acreditar no que via. Assim é que deve ser. Os dois trabalham fora e os dois podem dividir as tarefas. Nao nos cansamos tanto e terminamos os dois felizes.Um bom domingo pra vc.

Patti disse...

É suposto conseguirmos fazer uma e milhões de outras coisa ao mesmo tempo. E com perfeição!

E não é que conseguimos mesmo!!!

E de saltos altos!!

Bom dia p'ra si, também

com.vida disse...

Em toda e qualqer circunsatância humana os problemas aparecem existem. Não há como discordar de algumas questões pertinentes à mulher, mas também não devemos dar as costas para o maciço avanço que acontece a todo instante. Para resumir, penso que tudo isso resolve-se com mais amor no coração para que assim possamos respeitar e entender com mais eficácia o quanto somos semelhantes.
Cadinho RoCo

Andréa Motta disse...

Excelente post! Parabéns! Bom domingo!

Pata Irada disse...

Adorei o teu blog!
Fiquei pensando nessa tal louca "tecnologia" que existe para nos dar mais tempo.
Mais tempo para trabalhar ainda mais. rsrsrs
Sobre ser super-hiper-mega TUDO
OK! Somos poderosas. Mesmo assim, no quesito "mãe" não adianta, seremos sempre "culpadas" segundo os psicanalístas.
Vou te lincar.
bjs e bom finalzinho de semana

Zeca disse...

Scliar,

agradeço sua visita e, especialmente, a oportunidade de conhecer seu blog. Dei algumas voltas por aquí e gostei muito de tudo o que ví. Pretendo voltar outras vezes, já que incluirei seu endereço entre meus preferidos.

Seu texto está perfeito, mostrando claramente as "obrigações" a que a maioria das mulheres está sujeita, apenas por carregar, ainda, a ultrapassada faixa de "Rainha do Lar". É já com muito atraso que os "Reis do Lar" precisam perceber que, nesse reino, direitos e obrigações devem ser sempre iguais.

Abraço.

Ana Paula Soldi disse...

Scliar, falou tudo, adoro como você escreve!!!!!
beijos

Blog do Beagle disse...

Adorei. Caso vc não se importe, voltarei outras vezes. Bjkª. Elza

Georgia disse...

Ethel, obrigada pela visita.
Ontem dia de festa por aqui nao tive muito tempo para visitar os blogs que fizeram parte da blogagem, mas hoje estou visitando quem me visitou e depois vou visitar o pessoal da lista da Meire. A blogagem está muito boa cada um na sua criatividade. Vc abordou uma parte que me chamaou muito atencao; aprender a dizer nao. Isso é super importante e muitas de nós mulheres nao sabemos dizer nao na hora certa. Tudo isso é um processo. Vc escreveu que escreveu sobre esse tema em um outro post. Poderia me enviar via email? Vou gostar de lê-lo.

Boa semana e um grande abraaaaaaaco

Janaina de Almeida disse...

Não mudou nadinha de nada...
Essa propaganda da cerveja então, até na forma como o homeme segura a garrafa, não precisa falar mais nada.
E interessante que li na Revista do Jornal O globo de domingo na coluna de Martha Medriros e concordo, que a independência da mulher tem que ser prazerosa edivertida, e não uam coisda estressante pelo qual nos igualamos com os homens e não é isso.
Temos que ser independente sim, mas sem perder afeminilidadea.
Beijos e grata pela visita novamente, um abraço.

Alessandra disse...

Scliar, é difícil mesmo!! Nos cobram que sejamos lindas, magras, malhadas, cultas e inteligentes (mas não de forma "ameaçadora"), excelentes donas de casa, mães e profissionais. Missão impossível!

Você falou do jantar... Lembrei de uma vez que fui ao cinema sozinha e as pessoas ficaram me olhando com aquela cara de dó... Ou ir a um bar sozinha pra tomar um chopp e ter que ouvir todo o tipo de cantada, afinal, mulher sozinha em bar, obviamente, está procurando "o que fazer". Pois é, ainda falta muito, mas acredito que chegamos lá!
Abraços!

Anunciação disse...

Vim agradecer a visita e ler o seu post sobre o assunto.Bem realista.Um abraço e sucesso.

Ricardo Rayol disse...

mandou muitissimo bem. A desvalorização feminina é um hábito que passa despercebido.

Obrigado pela visita

Marcelo Henrique Marques de Souza disse...

Interessante alguém da área de marketing perceber essas sutilezas da propaganda, e falar sobre isso...
O marketing e a propaganda não são socializantes, porque não apresentam impasse para o ego. Deveria ser limitada, portanto, sua atuação nos espaços públicos. Alguma coisa sempre é feita, mas sempre aquém, visto que rola muita grana.
Um exemplo que gosto de citar nas aulas é o fato de que há anúncios do governo prevenindo os acidentes nas estradas, seguidos, quase que imediatamente, por outros, de montadoras de veículos, incitando os motoristas a voarem no volante, porque "a tecnologia da fórmula 1 já chegou no seu carro preferido"... O fim da picada..
Quanto às mulheres, diria que esse número exagerado de tarefas é um efeito colateral das conquistas trabalhistas.. Mas acho que, com o tempo, as coisas vão voltar a se diferenciar mais... a História é cíclica, e são as crises que a movem.
Um beijo

cheerstothatfla disse...

Oi Ethel, obrigada pela visita! Eh verdade, eu vejo por mim mesma em casa, as vezes meu marido vai fazer algo e eu jah faco antes... depois fico me perguntando o por que... eh instintivo... mas porque???

Bjs.

Aninha Pontes disse...

Vim só agradecer sua visita.
Já li o post, mas como ele é muito bom, vou voltar para comentar com o devido respeito que ele merece, e principalmente andar por aqui e conhecer seu blog.
Tenho visto vc em alguns amigos, acho que na Elena principalmente, não gosto de fazer as coisas superficialmente.
Agora estou cansadinha, morrendo de preguiça.
O bem está lavando a louça da janta, e eu dando uma espiada aqui.
Me aguarde que eu volto.
Um beijo

nana' hayne disse...

É isso Ethel,

A propaganda enganosa, ao que vejo é só o que existe!
CONAR que nada, eles estão nem ai...e os meios de comunicação fazem a cabeça do mundo!

Assistiu ao filme Advogado do Diabo?
Mesmo depois de tantos anos acho que a aborgadgem foi perfeita quando Al Pacino diz:
"Direito e Marketing" dominarão o mundo!

Por essas e outras, larguei a PP e Mkt, pois é muito complexo fazer entender aos clientes que o "clean", deve estar além da diagramação proposta :)

Obrigada pela visita, focagem bem legal a tua :)
bjs

Du disse...

Olá, vim retribuir sua visita e dizer que gostei muito daqui! A sua postagem ficou perfeita e a abordagem muito apropriada -Jornada dupla é fogo mesmo, aff...

Seja sempre bem-vinda ao meu Norte, ok?

Que você também tenha uma ótima semana!

beijos

Lilian Britto disse...

Olá, tudo bem? Faço parte também da blogagem coletiva e estou dando uma espiada no seu blog. O post está muito bom, sobretudo quando você fala sobre essa ambiguidade das coisas, ter que ser apaixonada e impulsiva, mas racional e comedida! Desejo q sua semana seja espetacular e feliz dia da mulher, que pra mim, é todo dia!

Sonia H. disse...

Ethel,
Primeiramente, obrigada pela visitinha ao meu blog!
Adorei o teu post! Essa questão da estratégia de marketing é impressionante.
No Brasil, a influência é enorme, muitas vezes negativa, né.
Parabéns!

Chuvinha disse...

Obrigada pela cordial visita! A primeira impressao entrando aqui e de uma mulher bem resolvida mesmo tendo que dar conta de tudo...rs. E a linguagem usada e clara, objetiva, perfeita a todo publico. Entretanto daqui vou dar uma espiada no humor acido porque este e meu estilo de humor e certamente vou gostar. Nao, nao participei da blogagem coletiva, mas nao iria esquecer da data. Ultimamente as blogagens coletivas tem intencao de divulgar blogs e nao de abracar uma causa. Porem nao deixei de visitar meus amigos que postaram.

Luci Lacey disse...

...e defina suas prioridades. O resto, deixe para lá...

E isto ai, muito bom.

Excelente post.

Tambem participei da blogagem.

Beijinhose boa semana.

Evellyn disse...

Ethel,
vim agradecer sua visita e confesso que adorei seu blog, já está adicionado nos meus favoritos.
Ótimo texto para a blogagem coletiva!
Beijos e boa semana

°°Patty disse...

Oi Muito obr por sempre esta no meu cantinho, feliz dia das mulheres pra vc tbm.

Beijinhos

mercia disse...

Scliar,
muito bom seu texto... realmente a tecnologia chegou, mas continuamos basicamente com as mesmas mentalidades...
e haja jornada dupla e tripla...
beijos e parabens!!!!

Dani disse...

Falamos do mesma tema!!! Adorei!!! Eh assim mesmo q me sinto... pedindo um favor!! Odeio isso!!! Odeio me sentir em divida pq ele lavou a louça do almoço... ou pq ele arrumou a cama junto comigo!!! Temos q mudar a nossa cabeça antes de podermos lutar pra mudar as deles ne?!!?
Beijos, Dani

Meire disse...

Adorei teu texto, e adorei tua atitude em relaçao ao cafezinho.
menina realmente atitude é tudo.
Obrigada pela participaçao.
Bjs

Meire

Chawca disse...

Como eu não encontrei seu blog antes?

A maneira como você escreve me pegou logo nas primeiras palavras..
E no meu caso eu prefiro as mulheres que naõ tentam ser super em tudo, até mesmo porque essas chegam a ser inatingíveis... e um pouco chatas.
Não nego meu machismo em determinadas situações, mas luto contra ele.

Um beijo e obrigado pela visita e pelo inteligente comentário.
Voltarei mais vezes, com certeza.

disse...

Cara Scliar ..Obrigada pela visita...Parabéns pelo seu post em "nossa"homenagem...adorei a comparação das fotos de propaganda de ontem e de hoje...mostra bem também o quanto temos de nos perguntar o quanto não somos em parte responsáveis por tamanha mudança , que com certeza vai além do progeresso natural das coisas....muito bom, faz pensar...
um abraço e ótima semana.

teresa disse...

Ethel, que blog mais interessante! vou voltar mais vezes!

Sergio disse...

Olá, Scliar!

Obrigado pela visita.
E acho que a visão da mulher mudou muito, hoje ela já comanda tudo, inclusive a vida do homem. Ela não se deu conta de como manda.
Veja a propaganda, antes ela dominaa o filho, hoje eles são problemas, mas dominam o homem mesmo estando por baixo.

Um beijo

Taty simplesmente disse...

Oi..Fico feliz por achar achar minha vida interessante, rsrsrs. Muitas vezes não nos damos o devido valor...Parabéns pelo seu neto...uma criança alegra uma vida, vejo pelos meus sobrinhos. Passei um dia especial sábado. Parabéns por ser mulher. Amor ter nascido feminina, mas acho que trabalhamos demais, rsrsrsr uma ótima semana p você. Bjs

Bia disse...

Ethel,
adorei sua abordagem para a blogagem coletiva.
Infelizmente, estamos tão acostumadas a ver propagandas que perpetuam a imagem da mulher-capacho que nem percebemos mais.
Seu post é um poderoso lembrete, parabéns.
Obrigada pela visita ao Casco!
Beijo da Bia

Jannine L'Amour disse...

Ethel (que nome lindo), seu post está muito bom, bem escrito, e de quebra ainda traduz tudo que eu estou vivendo neste momento...a pressão é tão grande que meu cabelo está caindo de bolo... Um cheiro.

Claudya disse...

Excelente post! Nós mulheres ainda temos muito a conquistar, prá isso, não precisamos colocar os homens abaixo de nós, e sim ao nosso lado! Obrigada por comentar no meu blog. Quer trocar links? Bjs

tita coelho disse...

tchê, eu amei tua postagem! Adorei quando falas que nionguém sabe valorizar o trabalho da dona de casa...Sabe, de uns anos paracá, resolvi cuidar mais da minha casa e do meu filho, ele tem 6 anos...Senti essa necessidade, recebo muitas críticas, inclusive de pessoas que me chama de PREGUIÇOSA"...não valorizam de fato o que é trabalhar em casa...Te digo, eu adoro...
beijos meus ótima semana

J. ROBERTO BALESTRA disse...

Ethel, muito obrigadão mesmo pela visita lá no blog. É muito bom conhecer bloggente nova, sobretudo que não tenha medo de parágrafos. volte sempre, porque lá tenho muitas crônicas pr'ocê rir vez em sempre.
bjs. UMA ÓTIMA SEMANA PRA VOCê EOS SEUS.

Juca disse...

Éthel, de cara já gostei da história do cafézinho e a sua atitude na ocasião. :-)

Minha cunhada é uma mulher de atitude, moderna e atuante, mas infelizmente meu irmão acabou abusando muito dessa sua característica de "tomar as rédeas" e resolver tudo. Além de jornada profissional e doméstica, ainda tem que fazer alguns papéis que cabem a ele. Em suma, meu irmão é machista - nada muito escancarado, declarado, apenas subentendido - e muitíssimo folgadooo! :-) Às vezes penso em me meter, mas acho que posso mais atrapalhar que ajudá-la. Mas sempre que posso deixo isso claro para ele.

Você tocou na questão da tecnologia, mas penso que tanto para o homem quanto para a mulher tais modernidades só nos tornam mais dependentes e mais ocupados - é tempo para cuidar do celular, do computador, da tv de plasma, do notebook, do pendrive, do home-theater, entre tantos outros instrumentos tecnológios, que viramos escravos deles.

Enfim, voltando à questão da mulher brasileira, só posso dizer que tenho muito orgulho delas e torço para que num futuro próximo essa situação possa ser contrabalanceada, sem exageros para ambos os lados.

Adorei sua abordagem da blogagem coletiva! Aproveito para deixar um beijo e o desejo de uma bela semana!

Juca

PS: Depois volto para debatermos aqueles questionamentos que deixou no meu post.

Eduardo P.L. disse...

Scliar,

vim até aqui pelo Adelino!
Muito bons seus dois blogs. Quero voltar mais vezes!
Tem muita gente aqui, em comum!A blogosfera filtra e reune.

Abçs

issamu disse...

As mulheres ainda vão dominar o mundo. Têm capacidade pra isso.

Allan Robert P. J. disse...

Se você não estiver sentada, sente-se já.

Minha mulher ajuda em casa.
Ela trabalha das 8:00 às 15:30; eu, das 7:00 às 17:00/18:00. Quando ela chega em casa eu já passei por lá ao meio-dia, já dei almoço para as duas filhas que voltaram da escola e elas se revezam para arrumar a cozinha.
Como empregada na Itália é só para milionário (algumas ganham mais do que eu), nos revezamos para limpar a casa, mas o banheiro sou eu quem lavo. Faço as compras e ela paga as contas.
Tomar a lição das meninas? É comigo.
Lavar a roupa? Bom um de nós se ocupa de colocar na máquina de lavar. Ela passa, mas as peças mais difíceis como calças e as minhas camisas, é comigo.
Durante a semana às vezes ela cozinha, às vezes eu, mas nos fins de semana a cozinha é minha (incluindo a limpeza).

Quando ela engravidou, fizemos um trato: ela cuidaria das meninas durante o dia e eu, durante a noite. Com a mais velha não dormi por três meses, entre levantar, trazer para a mãe amamentar, trocar fralda e fazer dormir depois de fazer passar a cólica, colocar no berço no quarto ao lado e recomeçar tudo dez minutos depois. Foi o período mais feliz da minha vida, apesar do cansaço. Com a segunda foi mais fácil, ela não tinha cólica.

Quanto a ser amante, bem, não concorremos a nenhum prêmio, nada de competição. Mas nos completamos até no ritmo.
:)

Fábio Mayer disse...

É fato, mulheres trabalham MUITO mais e ganham menos, além de ter de aguentar os machismos nossos de cada dia.

Olha,é uma grande verdade, encerrada a guerra, os EUA pediram para suas mulheres operáriar voltarem a dar lugar aos homens. Mas naquele período ocorreu, pelo menos eu penso assim, o início do verdadeiro processo de igualdade de direitos delas com os homens. Como você bem disse, os EUA (e o mundo) nunca mais foram os mesmos.

Guillian disse...

Olá ^^
Tudo bom?
Obrigada pelo comentário!
Realmente, ao observamos o passado percebemos nossas conquistas e evoluções XD

Ótimo post ! A mulher atual acarreta tantos papéis sociais que acaba não os realizando de maneira esperada, sendo dessa forma desvalorizada na sociedade em que vive. Devemos mudar isso! =D

Tenha uma ótimo semana!
beijos

=****

Maria-sem-vergonha disse...

Mulher, que delícia conhecer o teu canto! Tu tambéns és uma bruxa dos tempos modernos....pontuas questões necessárias, imprescindíveis e, ainda, coloca em xeque o mundo da publicidade, no qual também atuo e, muitas vezes, me enoja e, mutias outras, me desafia a não desistir de acreditar que um outro mundo é possível...estou fazendo uma visita rápida porque estou no Rio...volto depois para conhecer melhor o seu canto virtual...um beijo

Tina disse...

Oi Ethel !

Muito bom o seu enfoque e estilo do post, gostei mesmo. O negócio é esse mesmo - do café ao dizer não -é só a gente querer.

Obrigada pelo comentário e pela visita. Volte sempre, eu voltarei.

beijo e boa semana,

Marcos disse...

Hoje as mulheres participam muito mais não só financeiramente quanto nas escolhas do que deve ser comprado, não são mais consumidoras passivas. Se a propaganda continua com essa postura de colocar a mulher como objeto de e para venda, uma pena que meninas briguem para fazer parte dessa vitrine.
Com relação ao seu comentário no meu blog (por favor não entenda como uma discordância ou uma resposta por ter-me sentido ofendido), o intento foi provocar mesmo. Gostei de você ter colocado o maniqueismo do texto. Juro que tento fugir desse tipo de postura, a maniqueista no meu dia a dia, mas aquela foi proposital. E foi interessante ver as mulheres concordarem batendo palmas ou discordando radicalmente. Os homens, não sei se por acharem de verdade ou num esforço de serem politicamente corretos, discordaram. Muito interessante as reações.

mãe global disse...

Ethel,
Achei maravilhoso uma publicitária falando sobre a mulher na publicidade. Adorei também a história do cafezinho, ilustra tão bem a nossa realidade...Acredito que o homem vai mudar quando a mulher der o basta e não fizer por ele. Existem os homens altamente acomodados, mas existem também as mulheres que não aceitam que eles façam se não for do jeitinho que elas esperam. Parabéns, seus dois blogs são demais!
Beijos,
Rosana
Rosana

Lola disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lola disse...

Oi, moça!!!
Obrigada pela visita e pelo comentário lá no "Consciência", te respondi lá...
Adorei seu post, acredito que somos múltiplas e muito capazes e que devemos ser valorizadas, por isso mesmo, também merecemos ter o nosso espaço e descansar!!!
Ah! Adorei a parte do cafézinho :).
Achei seu blog muito interessante, posso linká-lo no "Consciência Coletiva"?
Beijos e uma ótima semana!!!

Cristiane Fetter disse...

Ethel você descreveu algumas situações que já aconteceram comigo e também tenho algo em comum com você, desde cedo eu aprendi a dizer não.
Nas empresas que trabalhei no Brasil as pessoas não entendiam como eu dizia não em várias ocasiões e ainda era elogiada, recebia novos projetos e promoções, eu sempre respondia, eu sei a hora de dizer não e de dizer sim, sem contar que meus cheves sabem que podem confiar em mim.

Adorei o seu blog e voltarei sempre.

Abraços

laurams disse...

Qndo eu juntar meus trapinhos, jurooo que vou ajudar meu marido em casa. Não serei exploradora de homens - apesar dessa idéia não me soar de todo mal. Se for possível, pedirei apenas que ele engravide por mim, pq talvez eu seja "daquele tipo horroroso" de mulher que não tem instinto materno, provavelmente eu bateria minha barriga em muitas quinas e ela ficaria tão roxa qnto as minhas canelas, que estão marcadas pelos esbarrões do futida de fim de semana!
Esse é o tipo de mulher que eu sou.
Ethel, achei importante dar meu depoimento no teu blog, pq com todos os rótulos que tentam colar em nós mulheres, as vezes parece temerário ser quem a gente é. Parabéns pelo blog, é ótimo!!

PS: o sobrenome é um charme!!! Sou fã do Moacyr,desde guria!!

Bjos

LAURA

Cochise César disse...

"Haja esquizofrenia!"
Só mesmo uma publicitária para conseguir sintetizar as coisas tão bem.
Os poetas são polixos.
Parabéns pelo texto. Gostie muito.
Boa sorte para você, para as mulheres e para todos npós. O mundo anda muito complicado.

universodesconexo disse...

Scliar, pulei a fila inteira porque nao aguentava mais esperar, tive que vir aqui fazer uma declaraco de amor a voce :)

Que sou sua fa voce ja sabes nao eh mesmo ? Mas vou te contar... eita mulher perspicaz que eres. Quando eu crescer quero ser assim que nem voce ! Tens feito uns comentarios nota 1000 nos posts de coletiva e ja aprendi muito contigo minha querida ! Voce esta sendo uma pedra preciosa para ela campanha ! Parabens amiga !

Agora quando seu post, bastante interessante as responsabilidades que nos colocamos nao eh mesmo? Essa historia do cafezinho foi de matar. Em varias reunioes ja percebi que na hora de servir o cafe todos olham para mim aqui. Eu simplesmente faco de desentendida e espero alguem me servir :) Quando estou commmuita vontade vou la e me sirvo so para mim... se estou de bom humor sirvo todo mundo. Mas ninguem ainda se atreveu a me pedir para servir cafezinho, podem ter ate pensado mas nao passaram disso, mesmo porque na astronomia as coisas sao diferentes. As mulheres aprendem a morder ja na faculdade se nao, nao sobrevive :)

Mas vou te fazer uma pergunta pois nao entendo essas coisas da propaganda. Os valores das propagandas nao refletem nossos proprios valores ? Ou seja, como eles definem o que vai agradar as pessoas ? Nao eh baseado em nossos proprios desejos ? Ai mais do que mudar a propaganda teriamos que mudar nossos conceitos, a menos que o marketing tambem seja formador de opiniao assim como a imprensa eh. E bem que pode ser viu ? Ai de nos nesse mundo :(

Achei engracado o comentario da Laura ai em cima :)

beijocas e voce eh demais !
Lys

Roseane disse...

Muito bom seu post...eu cheguei atrasada para a blogagem, mas ainda a tempo para ler o que voces escreveram. Gostei do teu blog.

Loba disse...

não vou falar deste post não, embora ele seja um dos mas completos que li. vou falar do blog como um todo: me encantei! que delicia estar aqui. sua escrita tem leveza e conteúdo. gostei muitão, moça!
beijoaí!

luma disse...

Eu acho graça quando uma mulher diz que o marido "ajuda" em casa. Esquece ela que faz sem pensar um trabalho que é dele também. Ele não está ajudando! Faz aquilo que seria para ele fazer normalmente! Afinal, ambos trabalham fora de casa. As mulheres precisam respeitar elas mesmas e saber dizer o que querem, mas a maioria não sabe o que quer e por isso não se impõem, serão sempre submissas. Beijus

Saramar disse...

realmente esta história de marido que "ajuda" em casa é irritante de tão boba.

Sobre esses múltiplos papéis, atualmente, exigidos da mulher, imagino que devem ser também cuasa de tantas doenças como depressão e outras ligadas ao stress.
Afinal, a mulher vive, como você disse, condicionada pela mídia e pela publicidade à busca da perfeição em cada momento da vida, quando mal consegue se manter em dois ou três desses papéis (e quem conseguiria)?

Creio que auto-valorização é um processo íntimo que deve começar a partir da mensuração dessas exigências e de como elas são absurdas.

Muito obrigada pelo texto esclarecedor.

beijos, boa semana para você.
P.S. Gostei muito de ambos os blogs e voltarei.

vivendo disse...

Ethel,
Trabalhei em um laboratório como analista química, mas inventaram que as mulheres do laboratório eram responsáveis pelo café do chefe. E ele dizia se o café tinha ficado bom, regular, ruim , ótimo. Uma patifaria.Falei logo, não sei fazer café e não bebo café, sou formada em química. Meu nome rapidinho foi excluído da lista de cafés. Obrigada pela visita. Vou voltar aqui novamente, seu espaço é muito bom!!Vivi Amorim

disse...

Olá querida Ethel,

Que lindíssimo seu nome e sua foto, parece-me nova ainda para ser vovó, mas é bom demais ser vovó, não é?
Querida, obrigada por suas ternas palavras, é de pessoa como vc, que vale a pena manter um blog.
Peço sua permição para colocá-la em meu favoritos, gostei muito do seu espaço.
Muito obrigada mesmo, adoro quando recebo pessoas novas lá na casa da vovó, apareça sempre.
Fique em`Paz e na Paz do Senhor!

Beijos!

Rô!

Natália Coelho disse...

Estereótipos estão aí pra manter o status quo,só me pergunto quando nos libertaremos disto!
bom texto!

abraços

ery roberto disse...

Ethel, primeiro meu agradecimento pela sua visita e comentário. Quanto ao assunto principal, você foi muito feliz em abordar a questão da manipulação da mídia e a facilidade com que as pessoas se entregam à essa verdadeira ditadura de estilo de vida que ela prega. Antes de tudo precisamos deixar de nos prestar ao papel consumista que só interessa aos segmentos nocivos neste capitalismo aterrorizante. Além do mais, deturpa valores e na juventude destrói boa parte de tudo aquilo que suamos para construir. Bela idéia, excelente texto. Parabéns pela maiúscula participação. Abraços.

surrealismodoacaso disse...

Legal o artigo, ácido e envolvente, também gostei demais de ter conhecido teu blog! Boa semana surreal...

Lino disse...

Você chamou a atenção para um ponto importante, que é o reforço da propaganda aos estereótipos, inclusive o da supermulher. O que é pior nisso é que, no final, este comportamento é naturalizado e aplaudido por uma parte das mulheres.

Ernâni Motta disse...

Olá, Ethel, vim lhe retribuir a visita, e achei tudo maravilhoso por aqui, inclusive, o Homoracido. É, estive lá, conferindo.
Quanto ao seu texto, é bastante oportuna a sua abordagem sobre o marketing querer criar uma mulher "pour excellence", enquanto muitas ainda morrem de fome, pelo mundo todo.
Vou voltar mais vezes, pode deixar. Para isso, vou lhe linkar, ok?
Um abraço,

Re disse...

Scliar:

Estou com a consci�ncia pesada. Com a tal viagem para a casa de minha m�e acabei n�o participando da blogagem coletiva.

Tuas impress�es sobre nossa condi�o s�o �timas, muitas situa�es nem percebemos, mas sentimos leves inc�modos e deixamos pra l� s� que eles v�o se acumulando.

Minha filha est� fazendo publicidade e propaganda, j� trabalha em uma ag�ncia de produ�o de sites, apesar de que seu grande sonho � de atuar mais na �rea de produ�o de arte, acho que � isso, n�o entendo bem dessas coisas. O que sei � que em fun�o da sua escolha profissional acabei me interessando mais e observando melhor os produtos e sua divulga�o.

Quando assisto TV com ela, acabamos tendo nossa aten�o maior voltada para os comerciais. Estamos indignad�ssimas com a explora�o da mulher como objeto sexual por parte das cervejarias, especialmente a Schinchariol e a Kaiser. Quando ach�vamos que n�o houvesse como piorar eles conseguiram, inventando de colocar cromos de mulheres "gostosas" nas tampinhas das garrafas. Ser� que este publicit�rios que det�m a conta da Kaiser n�o percebem que muitas mulheres tamb�m consomem cerveja. Eu e minha filha gostamos de saborear uma boa cervejinha vez por outra, mas nos negamos a comprar Kaiser ou Schin. E mais, como sou eu que fa�o as compras de mercado aqui em casa, pois estou num casamento � antiga, s� compro para o marido cervejinhas de marcas que n�o apelam tanto (j� que todas t�m uma pontinha de mau gosto) em seus comerciais.

Obrigada pela visita l� no blog.
Boa estada a� no Canad�
Curta a neve por n�s.

Beijos

Cris disse...

Somente agora pude retribuir a visita e o comentário.
Adorei teu espaço.
Grande beijo.

ro costa disse...

Olá...
Adorei seu post... essa do cafezinho é ótima.
Eu trabalho num ambiente masculino e nunca fiz o café... é sempre um deles que faz... eu digo que se não eles vão acostumar rsrsrsrsrs
Bjs, Ro

Lucia Malla disse...

Seu post está fabuloso. Eu tbm não gosto do termo "ajuda" em casa. É hipócrita. Parabéns pela mensagem bem-escrita. Bjs.

Scliar disse...

Blognautas: adorei todos os comentários, sugestões e dicas... Nem sei como agradecer! Vou responder a todos, diretamente nos seus blogs, porque se responder aqui, vai ficar muito "imenso de maior de grande"! Espero rever a todos,virtual ou realmente! Boa semana!Ethel Scliar

Michele disse...

olá, Ethel sclair, prazer !!
sobre o seu comentário, finalmente comentei, correria tá d+, o estresse tb, o calor entao...
Falando do meu post sobre a valorização da mulher, a lys do universo desconexo descordou em partes comigo e tal. Falou sobre educarmos nossos filhos e de não impor respeito. Eu nao pude comentar no blog dela, tá dificil pq sao tantos posts q fiquei perida. Enfim, o meu post, ou melhor, o meu desabafo, é sobre o q me rodeia, o q eu vivo e nao pretendo ter filhos nem tao cedo. Moro longe da minha familia, tenho varios sobrinhos e é dificil acompanhar a criação deles , até. Eu estudo numa faculdade de tecnologia, onde, naturalmente, 98% é de homens. o nordeste os homens sao mais ousados,pra nao falar cara de pau( eu já até li sobre uma estatistica falando q as mulheres nordestinas sao as que mais sao traídas e aceitam, naturalmente. Pois se sao tao traídas, obviamente , isso é aceitável.). Eu sou de minas e nao estou acostumada com esses assédio todo, apesar de ter vindo vindo também de uma faculdade de tecnologiade só que em minas, mas isso , eu nao via lá. O negócio é tao "brabo" que , muitas vezes, temos que impor respeito. E sem contar que eu recebo tantas piadinhas sobre mulher buscar o homem ideal, perfeito e de nao existir no meu orkut que eu , recebia, colocava no meu blog, comentava e virou o maior " bafafá" , até pedidos de desculpas e se explicando, tipo: " eu coloco pq gosto dos seus comentários, do seu ponto de vista e tal", agora eles pararam. Mas é isso e está no meu blog, está até como "desabafo"(eu até postei sobre a criação da mulher, um texto que eu escrevi qdo estava na tpm até e está como " criação da mulher") de querermos um homem, nao só o ser "amado", mas, pais, irmaos q contribuam, dividam as tarefas do lar, que possamos contar com eles pra desabafar, confiar... Sclair sao tantas coisas q temos que conquistar... eu sou super feminista ,nao levo desafora pra casa, defendo a nossa raça, apesar de estar dificil defender nossa raça com essa "coisa masculina recíproca", essa perda lamentável da essencial da mulher( esse ser adoravelmente complicado) mas ainda bato na tecla q temos q fazer outra revolução e eu qro estar viva pra participar !!!
Eu assisti um filme recentemente que fala dessa coisa " valorização da mulher ",onde tem um grupo feminista-ativista-radical, o filme é "itty bitty titty committee" é até de 2007, ganhou festivais e esse filme tem sua parte homossexual feminina, gostei do idealismo em partes, gostei da parte da luta do tudo representar o homem,do homem imperar, mas, atacaram mto essa coisa da mulher se modificar, silicone, tampaz, plásticas, e, valorizar desvalorizando, faça o q eu falo mas nao faça o q eu faço,onde tem uma personagem que sai com 10 caras por semana, ou seja, não se transforme em um objeto sexual com silicones, plasticas, goste de você como você é, nao tente agradar os outros mas seja o objeto sexual como você é. Enfim, nao tocaram na parte principal que é nossa essência,nós, esse ser, amável,cuidadoso, centralizado, dinÂmico,forte, frágil, esse ser qse perfeito( se nao fosse essa TMP, Oh meu deus como sofro!!). infelizmente esqueceram isso, porque simplesmente está tudo reciprocamente péssimo, mulher está se comportando como homem, tá uma bagunça esse negócio e estarrecedor.
Se você tiver o interesse de assistir esse filme e quiser comentar, sei lá postar, me avisa que eu também comento. Apesar de eu estar numa correria, estar cheia de textos interminaveis, quase nao estou postando...

bjss e um prazer enorme em te ter no meu blog !!

Doni disse...

Respondi seu comentário em meu post... Achei excelente a qualidade deste debate. Até.