terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Relacionamento Subliminar

P.: Até que nos encontros iniciais eu vou bem. Acelero um pouco, dou uma freada, e tudo corre as mil maravilhas. Mas na hora de realmente engrenar a primeira e ultrapassar a curva para a relação se aprofundar... Dou marcha à ré e paro no primeiro pit stop! E agora? Simone, Aracaju

R.: Pelo menos o primeiro passo você está conseguindo dar. Ou seja: conquistou o cliente, fez com que ele, ao menos, parasse um pouco, para prestar atenção na sua mensagem. Isto, em marketing e propaganda, se consegue com um pouco de maquiagem.

RETOQUES AO GOSTO DO FREGUÊS
É aquela fase da atração à primeira vista: o design do produto, as cores da embalagem. O nome do serviço. O sorriso do atendente. Um detalhe na vitrine. São pequenos detalhes subliminares. E propaganda subliminar vale? Vale, vale sim. Claro, depende da definição de propaganda subliminar. Mas estes primeiros contatos são aqueles que apelam para algo que não conseguimos muito bem definir.

PROPAGANDA SUBLIMINAR
Um livro pequeno, lançado em 1974, chamado Subliminal Seduction, de Wilson Bryan Key, provocou um grande escândalo – e deu origem a inúmeras teorias conspiratórias e de manipulação. A propaganda de fato manipula o consumidor? Ou vice-versa? Manipulamos as pessoas, no trabalho, nas relações amorosas, familiares? No livro, o autor mostra anúncios e embalagens onde imagens eróticas estão camufladas – sendo o apelo erótico um dos nossos mais fortes motivadores. Alguns destes ícones são bem famosos, como a embalagem do cigarro Camel.

SONHANDO COM AS NUVENS
A dúvida é se, de fato, as imagens foram manipuladas (quem confessaria o delito?) ou se, simplesmente, vemos formas onde nada existe? Afinal, temos a tendência de buscar ordem e figuras conhecidas – mesmo onde só há manchas. Os testes de projeção estão aí para não nos deixar mentir. Os desenhos nos azulejos – mesmo nos azulejos lisos! – também. E quem já não viu monstros ou príncipes nas nuvens do céu? A questão do subliminar, na propaganda – e nas relações – é uma via de mão dupla: o que os outros projetam para que a gente veja; e o que nós mesmos vemos.

DEPOIS DO PRIMEIRO CONTATO
Só que, com apelos subliminares ou não, tem sempre o depois. E o depois significa descascar as camadas da cebola, para ver o que de fato aquele produto ou serviço oferece. Era só uma promessa? Ou a essência corresponde realmente ao texto e às imagens da propaganda? Um produto inatingível, objeto de desejo, que fica só na imaginação, sem dúvida alguma é perfeito. Uma boa estratégia de marketing: temos aquela linha “premium”, para poucos... E depois, a comum, para nós, pobres mortais. Enquanto sonhamos com o que não temos, fica tudo em projeto. Fora da realidade, não há riscos de imperfeição – mas também não há o sabor de experimentar o conteúdo. Ficamos só na maquiagem. Coragem – e abra o embrulho. No máximo, é devolver para a prateleira!

A ESTRATÉGIA
1. Aceite que o primeiro contato é realmente subliminar e foge um pouco do controle de cada parte. Eu, por exemplo, nunca ouvi como elogio, num primeiro encontro: - Que belos neurônios você tem!
2. Aprecie esta fase de “embalagem” e “design” - mas parta para conhecer o produto de fato!
3. Tenha coragem para abrir o pacote e mergulhar no conteúdo – e vice-versa. O pior que pode acontecer? Propaganda enganosa! Mas é melhor descobrir logo, do que viver na imaginação.
4. Nem sempre o conteúdo corresponde à expectativa, mas isto não quer dizer que seja inadequado. De um tempo para se acostumar com novos sabores, novas conversas, novos pontos de vista. Afinal, curtir a vida é sempre mergulhar em novas águas!

7 comentários:

universodesconexo disse...

Kkkkk... essa "Que belos neuronios voce tem!" foi otima !

E o negocio eh mergulhar no conteudo, concordo contigo, e ficar sempre atento as propagandas enganosas que sao tantas. Mas quem nunca fez que atire a primeira pedra ne ? Afinal todo qmundo quer vender seu produto :)

beijos
Lys

Lucas disse...

Esse negócio de propaganda subliminar está um pouco fora de moda e serviu bem para os aficcionados das fantasias de manipulação. Ela pressupõe que o consumidor ou o cliente é uma besta na qual se escreve, sem que ele se dê conta, uma série de informações. Essa idéia de cliente-vítima não resiste. No jogo da sedução pelo produto, entram em campo não só aquilo que o produto quer transmitir, mas aquilo que o cliente quer ou espera receber. No jogo de sedução, não há seduzido. Há sedutores. Quem seduz, conta com a ajuda do imaginário de quem se deixa seduzir. Por isso é importante hoje mais do que nunca, conhecer o que o cliente deseja, espera, sonha. Se a gente que é pombo não fala...ninguém fala! Dizia a ótima propaganda.

luma disse...

Scliar, estou passando rapidinho para conferir a sua postagem da blogagem coletiva. Em qual blogue postou ou vai postar? Ou nem vai postar?
Estou ajeitando os links, please!

Larissa disse...

Eta, nóis! Concordo com o lucas total total. E também com o universo. Os dois lados precisam se "afinar": seduzidos e sedutores, num jogo eterno, ora um, ora outro. Beleza!

FATOS & FOTOS de Viagens disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Scliar disse...

Lyz, pois é. E nos currículos, então? Papel aceita tudo! Tinha um amigo que dizia: fez? Tem que por no relatório, se não é como se não tivesse feito. Não fez? Pos no relatório? É como se tivesse feito! kkk

Lucas: hheee, adorei o final do post! tem que falar mesmo, não é? E caprichar na sedução! bzus.

Oi, Larissa, bem-vinda, espero que o blog tenha seduzido você! Apareça sempre.

Du disse...

Simplesmente perfeito!
Parabéns