sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Seu nome mesmo...

P.: Por mais que eu faça, não consigo gravar o nome das pessoas. Sou desmemoriado mesmo! Aí, passo por umas situações muito chatas, a pessoa falando, dando oi, etc. e tal, pergunta mil coisas, e eu só tentando lembrar o nome do fulano… Tem jeito? Raul, Niterói
R.: Bota chato nisto! Afinal, nome é algo super importante: sintetiza identidade e personalidade. Por isso que a escolha do nome de um bebê é tão difícil e é a primeira coisa que as pessoas perguntam, junto com sexo e saúde! O mesmo vale para produtos - é a logomarca. Mas quem já não passou por uma situação de esquecer de um nome? E o contrário também: você percebe que a pessoa não está lembrando seu nome, ou simplesmente chama por algo parecido, mas que, de jeito maneira alguma é você! Pior é quando ligam e falam: -Adivinha quem é?

Não sei, não quero saber…
Dizem que o fato de não lembrar o nome é desinteresse. Discordo. Acho que é falta de atenção, algo totalmente diferente. Você pode estar focado em outra coisa, no que a pessoa faz e diz, e acaba esquecendo o nome! Uma vez, me aconteceu algo parecido, em propaganda. Era um grande lançamento, uma linha de televisores. Aproveitamos a época da copa e as chamadas eram do gênero: “entrou em campo a grande seleção de televisores”; “escale a melhor marca para sua casa”; tudo gravado no maior estádio de futebol de São Paulo.

Sempre tem um mas…
Antes da campanha entrar no ar, lá fomos nós apresentar na convenção de vendas. Gente do Brasil todo, auditório cheio. Vamos mostrando as peças de propaganda. Finalmente, apresentamos a grande estrela: o filme. Mal passamos, entre os aplausos, um voz lá do fundo: -Dá para passar de novo?
Gelei, mas respondi: -Claro! E lá rodamos o filme. A mesma voz: -Dá para parar quando eu pedir? Ai,ai, ai, meus sais! O que seria? Rodamos e na hora que o desinfeliz pediu, paramos.
PIMBA! Lá estava, bem grande, no muro do estádio, um painel com a propaganda do concorrente…

Nem notamos
Era tanta atenção nos produtos, nos atores, na luz, em tudo, que nem notamos. Foi gravado, editado, finalizado… Quinhentas pessoas em volta, e ninguém percebeu! Na hora, demos a volta por cima, dizendo que ainda faltavam ajustes, era só para dar uma idéia do filme. E saímos correndo para arrumar a burrada. Já pensou se vai para a TV? Milhões gastos para fazer propaganda do concorrente!
Resumo da ópera: atenção redobrada em tudo e por tudo. Assim, os nomes não vão para escanteio. O assunto da lembrança (recall) é muito importante em propaganda - e na vida. Vamos voltar com ele!

A ESTRATÉGIA
1. Preste atenção não só naquilo que lhe interessa (os comentários, por exemplo), mas também no que parece não ser tão importante (o nome).
2. Diga, re-diga e diga de novo o nome. Utilize múltiplos meios: escreva ou, se receber um cartão, no verso coloque uma referência qualquer para localizar a pessoa (evento, interesses, etc.)
3. Encontrou, não lembrou? Peça ajuda aos universitários! Ou seja, com tato e diplomacia, assim como fizemos com a propaganda em que aparecia o concorrente, admita “parcialmente” que não se lembra do nome: “Seu nome completo mesmo é…”, ou, “- Estava falando de você. Que coisa! Mas me deu um branco agora, como é mesmo seu nome?”.
4. No caso de telefonemas, reuniões e outros que tais, instrua que as pessoas sejam terminantemente anunciadas, não importa que sejam íntimas ou não. Isso vai evitar muitos dissabores.

10 comentários:

Luciane disse...

Oi, Ethel! É chato mesmo esquecer o nome das pessoas, mas é completamente humano. Desumano é ligar pra alguém e perguntar "adivinha quem é?" Eu nao sou a Mãe Dinah nem nada, né?
Beijo pra ti.

Lia Noronha & Silvio Spersivo disse...

Ethel: maravilhosas observações...adorei!
Lá no meu Cotidiano...o texto nao é de Pessoa...é meu mesmo...rs
Abraços bem carinhoso de bom fim de semana pra vc.

Luciane disse...

Ethel, eu sei dancar só o pezinho, e olhe lá! "Ai bota aqui, ai bota ali o seu pezinho...". hehehe
Beijo pra ti.

Mary disse...

Olá, olá!
Parabéns pelo netinho e que ele sempre aqueça o coração nesses graus tão frios.
Até...

Mônica disse...

Adorei a dica de colocar uma referência no verso do cartão, eu costumo fazer isso quando anoto número de telefone, sempre coloco algum dado a respeito da pessoas, até dos amigos mais antigos, estes, coloco o ano que a amizade começou...É um honra saber que vc gostou do meu texto "Violência contra a mulher", estou a sua disposição, para a postagem coletiva.

Ana Paula Soldi disse...

Oi muito boa a dica!!!!, sempre acontece de esquecer um nome.
E eu detesto quando trocam meu nome, hihi, mais entendo.
Mais eu prefiro dizer que esqueci do que ariscar um nome que nao é?
beijos

Scliar disse...

Luciane: hahaha Adorei esta resposta da Mae Dina! Vou incorporar, da proxima falo isto mesmo! E quanto ao bota aqui... Vixi, eu desafino cantando ate Ai bota aqui!

Lia: Entao, estao d eparabens pelo texto, né? Linnnndo!

Mary: Obrigado! ele é muiiiito fofo! E nem precisa tomar banho, de tanto que eu babo em cima dele!

Ana: Pois é, mas este povo se ofende quando a gente resolve ser honesta! Pode? Pooooode!!!

Bel disse...

Oi!!!
Vim retribuir a visita, e adorei o que encontrei por aqui.
Mas, ó... você disse que não lembrar o nome é falta de atenção e desinteresse. em parte, está certa. Mas não sei se você sabe, existe um distúrbio FÍSICO, chamado DDA ou TDA (Déficit ou [Transtorno] de Atenção)que provoca não apenas o esquecer dos nomes, mas de datas, de compromissos e mil outras coisas. Como portadora do dito cujo, sofro bastante, então a minha estratégia é avisar logo: "olha, eu não sou boa com nomes e fisionomias... então, se me encontrar por aí, palamordedeus, fale comigo!"
No meu blog tem uma tag "DDA", se quiser saber mais um pouquinho.

Beijão!

Du disse...

Aff...isso já aconteceu tanto comigo! Sempre senti uma espécie de frustração e impotência diante do meu esquecimento!
Esse post me serviu de alento.
Obrigada.

Fernanda França disse...

Ethel, eu esqueço nomes. Adorei esse post. E acho que além de falta de atenção (e não de interesse, como você mesma disse), existe de fato a falta de memória. Sou um caso que deveria ser analisado por gente séria! (risos). Nas entrevistas por telefone, ok, anoto TUDO. Pessoalmente, sempre tenho papel à mão e caneta, mas quando chega na vida pessoal, como faço? Eu me perco toda, você precisa ver. Como logo que me conhecem as pessoas descobrem esse meu jeito, algumas já entram na brincadeira... ai ai ai, eu não tenho jeito. Beijos! Fernanda - www.fernandafranca.com